. .

Deputados reivindicam medidas emergenciais para solucionar problemas no serviço de ferryboat

Os deputados Wellington do Curso (PSC), Neto Evangelista (PDT), Yglésio Moysés (PSB) e Hélio Soares (PL) ocuparam a tribuna, na sessão plenária desta terça-feira (17), para reivindicar medidas emergenciais que solucionem os graves problemas no sistema de ferryboat, utilizado para a travessia na Baía de São Marcos ao Porto do Cujupe. .

No Pequeno Expediente, o deputado Wellington do Curso iniciou seu discurso denunciando a situação “caótica” em que se encontra o transporte aquaviário, segundo ele. “Nós já havíamos denunciado que somente três ferryboats estavam funcionando e, na última semana, mais um parou. Logo, apenas dois estão operando. Na manhã desta terça-feira, o caos se instalou”, frisou o parlamentar.

Wellington informou que os caminhoneiros e motoristas de vans deflagraram manifestação em protesto pelo bloqueio total tanto do acesso ao Ponta da Espera, em São Luís, quanto ao Porto do Cujupe, em Alcântara.

“Por causa desse caos, vou completar as assinaturas para a criação de uma CPI nesta Casa para apurar toda a situação”, frisou Wellington.

Ao utilizar a tribuna, o deputado Neto Evangelista disse que havia acabado de apresentar requerimento à Mesa Diretora solicitando que, em caráter de urgência, seja realizada audiência na Assembleia Legislativa para tratar do assunto.

“O que está acontecendo é um caos. Aquilo que nunca foi um sistema bom, agora está péssimo”, protestou Evangelista, defendendo a realização de uma audiência com a participação do presidente da Agência Estadual de Mobilidade Urbana e Serviços Públicos (MOB), do secretário de Infraestrutura, de representantes das cooperativas, do Ministério Público e dos proprietários das empresas que prestam esse serviço.

“Eu parto do princípio de que devemos começar com o diálogo. Caso isso não seja respeitado, poderemos passar para uma convocação e, posteriormente, para a uma CPI, mas uma resposta da Assembleia precisa ser dada àquelas pessoas que já não tinham um serviço adequado e que, agora, não têm serviço nenhum”, enfatizou Evangelista.

Dificuldades 

No mesmo tom, Yglésio Moysés fez um relato das dificuldades que os usuários estão enfrentando no serviço de travessia da Baía de São Marcos e manifestou solidariedade.

“A situação dos ferryboats é um problema muito antigo. Isso já foi herdado também de governos anteriores. Na verdade, houve, inclusive, em alguns momentos, um acirramento da situação. Hoje, temos a eclosão do problema por completo. Claro que para o governador Brandão, que está no curso do caminho, buscando uma solução, não é fácil. Ele está no governo há menos de 60 dias, pegando um problema crônico”, afirmou Yglésio.

O deputado Helio Soares lamentou que a população esteja sendo penalizada. “São horas intermináveis nas filas. Pessoas que vão para lá durante a madrugada e não conseguem passagem. É um absurdo e muita humilhação. Aquela população não agüenta mais, pois o problema chegou ao limite. É um assunto que requer muita atenção e responsabilidade de todos nós. Não somos contra ninguém, mas a favor de apurar para saber quem são os responsáveis por esse caos”, disse Hélio Soares.

Deixe seu comentário

Hits: 9

VALMIR ARAÚJO