MPMA divulga vencedores do Prêmio de Jornalismo do MPMA – edição 2018

Na manhã desta terça-feira, 18, em solenidade realizada no Centro Cultural e Administrativo do MPMA, localizado no Centro de São Luís, o Ministério Público do Maranhão divulgou os contemplados com o Prêmio de Jornalismo do MPMA – edição 2018.

Coordenado pelo procurador-geral de justiça, Luiz Gonzaga Martins Coelho, o evento contou com a participação de membros e servidores do Ministério Público do Maranhão, jornalistas, radialistas e convidados.

Além de vencer na categoria jornalismo impresso, que lhe valeu o prêmio de R$ 4mil, a jornalista Patrícia Cunha, do jornal “O Imparcial”, ganhou ainda a premiação de melhor de todas as quatro categorias, também estipulada em R$ 4mil, além de certificado.

A jornalista fez a reportagem “Elas querem ser vistas”, que aborda a situação de pessoas transexuais que lutam por direitos e visibilidade dentro da sociedade, enfatizando a postura de instituições, a exemplo do MPMA, que já regulamentaram o uso do nome social em suas dependências.

Ao agradecer pela premiação e ressaltar o conteúdo da matéria premiada por dar visibilidade ao segmento LGBT, Patrícia Cunha fez a defesa do jornalismo impresso, que, para muita gente, corre risco de extinção devido à concorrência com as mídias digitais. “O jornalismo impresso aprofunda mais as informações e tem um cuidado maior com a apuração das notícias”, ressaltou.

Nas demais categorias, com exceção de estudantes, a premiação também foi de R$ 4 mil.

No telejornalismo, o vencedor foi o jornalista Marcos Reis, da TV Band Maranhão/Metropolitana, com a reportagem “MP lança campanha contra fake news”, que trata da campanha “Diga o que pensa sem ofender ninguém”, uma iniciativa do Ministério Público, em Imperatriz, sobre o uso responsável das redes sociais.

Na categoria radiojornalismo, o radialista Borges Júnior, da Rádio Universidade FM, venceu com o trabalho “Observatório da Intolerância Política – Maranhão 2018: o Ministério Público recebe representação criminal oferecida contra universitário que incitava ódio e defesa de eliminação LGBTQI+ nas redes sociais”. A matéria fala de uma denúncia contra um estudante da UFMA acusado de manifestar de forma preconceituosa nas redes sociais, com investidas de intimidação, ódio e defesa da eliminação de minorias.

No webjornalismo, o jornalista Rafael Cardoso, do site G1 Maranhão, foi o ganhador com a reportagem intitulada “Médico assumiu o risco de levar o bebê à morte, afirma o Ministério Público; pai pede justiça”. O texto enfoca o trabalho de diversas instituições, entre elas o MPMA, após a prisão de um médico em Pinheiro que teria omitido socorro a um recém-nascido, que acabou morrendo.

Pela primeira vez incluída no Prêmio MP de Jornalismo, a categoria estudante teve como vencedora a aluna Sanndila Drielle Torres Brito, do curso de Comunicação Social da UFMA. Ela escreveu sobre a segunda edição da campanha “Pau de Arara nunca mais: o MP na defesa do transporte escolar de qualidade”. Nesta categoria, a premiação foi de R$ 500.

PREMIAÇÃO

A coordenadora de Comunicação do MPMA, Lucina Medeiros, enfatizou o fortalecimento do prêmio, com a inserção da categoria de estudantes e a participação de candidatos de outros estados do Brasil. “É um reconhecimento para o nosso trabalho, bem como demonstra a importância da parceria com toda a imprensa, para permitir a maior aproximação da instituição com a sociedade”, acentuou.

Em seu discurso, o procurador-geral de justiça, ao se referir aos 30 anos da Constituição Federal e aos 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, enfatizou a importância da liberdade de expressão e de imprensa para o aperfeiçoamento da democracia, destacando ainda o papel do Ministério Público na defesa da cidadania. “A premiação busca estimular a excelência na produção jornalística, com qualidade, isenção e que dê garantias ao direito à informação”.

Luiz Gonzaga Coelho finalizou estabelecendo a comparação entre a imprensa e o Ministério Público e a importância das duas instituições. “Um (o Ministério Público) defende a sociedade e a lei perante a justiça; o outro (a imprensa) cobra dos poderes a fiel execução das leis. São irmãos de propósitos na construção de uma sociedade mais justa e cidadã”, observou.

O evento foi prestigiado pelo diretor da Escola Superior do Ministério Público do Maranhão, Márcio Thadeu Silva Marques, que representou a Comissão Julgadora do Prêmio; pelo diretor da Secretaria para Assuntos Institucionais, Marco Antonio Santos Amorim; e pelo diretor da Secretaria de Planejamento e Gestão, Raimundo Nonato Leite Filho.

Após a premiação, foi oferecido um café da manhã para os presentes.

remiação aconteceu hoje

Patrícia Cunha

Patrícia Cunha venceu no Jornalismo Impresso e Destaque

Marcos Reis

Marcos Reis venceu na categoria telejornalismo

Rafael Cardoso

Rafael Cardoso venceu na categoria webjornalismo

Sanndila

Sanndla Torres venceu na categoria estudantes

PGJ Premio de Jornalismo

Luiz Gonzaga falou sobre a importância da imprensa

Lucina Prêmio de Jornalismo

Hits: 0

VALMIR ARAÚJO