.
Seguros Promo
.

Câncer infantil: diagnóstico precoce pode resultar na cura de até 80%

Quando o assunto é câncer infantojuvenil, informação e diagnóstico precoces são as armas mais poderosas para chegar a cura. Apesar de, no Brasil, o câncer já ser a primeira causa de morte por doença entre crianças e adolescentes de 1 a 19 anos (8% do total), o progresso no tratamento desse público, nas últimas quatro décadas, foi muito significativo, segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca).

“Hoje, em torno de 80% das crianças e adolescentes acometidos da doença podem ser curados, se diagnosticados precocemente e tratados em centros especializados. A maioria deles terá boa qualidade de vida após o tratamento adequado”, diz o Inca.

Entre os tumores mais frequentes na infância e na adolescência estão as leucemias (que afetam os glóbulos brancos) e os que atingem o sistema nervoso central e os linfomas (sistema linfático). Também acometem crianças e adolescentes o neuroblastoma (tumor de células do sistema nervoso periférico, frequentemente de localização abdominal), tumor de Wilms (tipo de tumor renal), retinoblastoma (afeta a retina, fundo do olho), tumor germinativo (das células que originam os ovários e os testículos), osteossarcoma (tumor ósseo) e sarcomas (tumores de partes moles).

Semelhança com doenças comuns

Segundo o diretor do Hospital de Amor Infantojuvenil, em Barretos (SP), Luiz Fernando Lopes, referência no tratamento de câncer no país, o maior problema do diagnóstico precoce por profissionais de saúde nesses casos é a semelhança dos primeiros sintomas com os de doenças comuns na infância.

“Um dos nossos grandes problemas é que  crianças e adolescentes chegam aos centros especializados de tratamento com a doença em estágio avançado por diversos fatores: desinformação dos pais, o medo do diagnóstico e até desinformação da equipe de saúde”, ressalta.

O médico aponta que sinais como caroços no pescoço, axila e virilha, gânglios que não somem, dores nas pernas que não passam e atrapalham as atividades das crianças, manchas arroxeadas e pintinhas vermelhas na pele, além de vômitos, dores de cabeça e perda de equilíbrio frequentes devem ser investigados. 

Situações como aumento no tamanho da barriga e brilho branco em um ou dois olhos quando as crianças são fotografadas com flash também podem ser um alerta para alguns tipo de câncer infantil.

Informação

Em Barretos, o médico teve a prova de que informação pode fazer toda a diferença. Lá, desde 2012, no mês de novembro, é realizada a Caminhada Passos que Salvam. Uma das importantes ações da campanha é a chance de que municípios participantes enviem um médico para realizar uma capacitação no Hospital de Amor. Esses profissionais passam a reconhecer os tumores precocemente e ficam em contato direto com os profissionais do hospital, permitindo que as crianças e adolescentes cheguem o quanto antes para tratamento, aumentando suas chances de cura.

“Graças à Passos que Salvam nós conseguimos reduzir em 20% o diagnóstico tardio e, com as próximas edições, acreditamos que vamos conseguir ainda mais! É uma mobilização que só nos traz ganhos!”, disse o médico Luiz Fernando Lopes à Agência Brasil.

A primeira edição da Passos que Salvam teve a mobilização de 19 municípios do estado de São Paulo e dois de Rondônia. Em 2019, 650 cidades, em 19 estados do país, além de um grupo de brasileiros que reside em Londres, no Reino Unido, se uniram em favor dessa causa. Com a pandemia, as últimas edições tiveram formato online. 

Além da capacitação de médicos, o evento tem dois importantes focos. O primeiro é a conscientização da população sobre a existência do câncer em crianças e adolescentes e a importância do diagnóstico precoce com alerta para os principais sinais e sintomas. O segundo é voltado para a captação de recursos com a venda de kits, ajudando a custear exames e procedimentos que não são financiados pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

O Inca estima que para cada ano do triênio 2020/2022 sejam diagnosticados no Brasil 8.460 novos casos de câncer infanto-juvenis (4.310 em homens e 4.150 em mulheres). Os índices correspondem a um risco estimado de 137,87 casos novos por milhão no sexo masculino e de 139,04 por milhão para o sexo feminino.

Agência Brasil/Edição: Lílian Beraldo

Hits: 25

VALMIR ARAÚJO