Polícia Federal fecha serraria em terra indígena araribóia no Maranhão

PF utilizou imagens de satélites para identificar focos de desmatamento na região e realizou diligências para localizar serrarias e movelarias que recebem a madeira extraída ilegalmente.

A Polícia Federal, em conjunto com o IBAMA, o Batalhão de Polícia Ambiental, o Corpo de Bombeiros Militar e a Marinha do Brasil, iniciou nesta quarta-feira, 10/2, no sudoeste do Estado do Maranhão, a Operação KAMBAÍ, visando combater a prática de crimes consistentes na extração ilegal, receptação e comércio de madeira e produtos florestais provenientes da Terra Indígena Arariboia, local que vem sofrendo com a exploração ambiental por parte de madeireiros que atuam ilicitamente nessa região.

Participam da ação 60 servidores da Polícia Federal, IBAMA, Corpo de Bombeiros Militares, Batalhão de Polícia Ambiental e a Marinha do Brasil.

A Polícia Federal utilizou imagens de satélites do Programa Brasil M.A.I.S, para identificar focos de desmatamento na região, bem como realizou diligências de campo para localizar as serrarias e movelarias que recebem a madeira extraída ilegalmente.

A Operação KAMBAÍ tem ainda como objetivo a proteção de povos indígenas que vivem na região, principalmente os índios isolados da etnia ‘Awá Guajá’, impedindo o acesso de madeireiros à terra indígena e, por consequência, evitando a contaminação pelo COVID-19.

Os investigados poderão responder por crimes como receptação qualificada (art. 180, §1° do CPB), transporte e depósito de produto de origem vegetal sem licença válida (art. 46, parágrafo único, da Lei 9605/98), dentre outros.

A operação foi denominada KAMBAÍ, termo oriundo do folclore indígena que significa protetor da flora e da fauna.

ab7b328a-3bdf-45e4-b71c-aae3c532c9a4.jpg
eaa0f205-d608-4de0-ad69-10adc7c41304.jpg
ff68a976-c370-4e41-b603-7fc1ccaa0db4.jpg
Valmir Arajúo